domingo, 30 de maio de 2010

Visita à Doca Pesca

No dia 26, a minha turma, a turma da professora Olívia e a da professora Paula Carlos fomos visitar a Doca Pesca que fica do outro lado do rio Arade.
Abalámos da escola por volta das 8.45 m. Passámos pela ponte velha e quando chegámos ao outro lado da ponte virámos para a direita e descemos por um caminho de terra batida e seguimos para a Doca Pesca.
Lá, na Doca Pesca só havia peixe e só cheirava a peixe. Vimos o peixe a ser descarregado de uma traineira que tinha chegado do mar naquele instante.
Dentro do sítio dos leilões, um senhor explicou que à tarde se faziam leilões. O leilão é um sítio para comprar o peixe que vai ser vendido nas praças e peixarias, onde cada comprador tem um comando para parar o painel electrónico com os preços do peixe que forem mais baratos. Quem for mais rápido a carregar no botão fica com o peixe. O senhor também nos mostrou uma passadeira rolante por onde o peixe passava depois de vendido.
Vimos os senhores a colocar os polvos dentro de caixas para serem vendidos à tarde. Alguns dos meus colegas tocaram neles e pingaram-se todos com a tinta dos polvos.
Depois da visita, como estávamos cheios de fome, fomos lanchar na Zona Ribeirinha, no jardim Bívar e depois de lanchar, brincámos um pouco. A nossa visita terminou aqui.






domingo, 2 de maio de 2010

Dia da Mãe

Para oferecer às nossas mães no Dia da Mãe, trouxemos aventais e cada um de nós desenhou flores ou frutos a partir de moldes. Depois, pintámos com tintas de tecido, delineámos as imagens e algumas colegas aplicaram botões nas flores. No final, a professora escreveu a data e uma pequena dedicatória, e ficaram prontos.
Feliz Dia da Mãe!




Dia Mundial do Livro

Na sexta-feira, dia 23 de Abril, foi Dia Mundial do Livro e a nossa turma deslocou-se à Biblioteca Escolar para ler duas histórias que fizemos na sala, para apresentar no dia da recepção ao escritor Miguel Horta. As histórias são baseadas na sinopse da obra de Miguel Horta, "Pinok e Baleote". Nesta sessão, estiveram presentes as turmas do 2º ano das professoras Ana Sofia Cabrita e Soraia Pinho.


O André e o Tiago fizeram a apresentação da obra e das histórias que iriam ser lidas.


A Mónica e o Tomás foram os primeiros a ler a história que fizeram.


De seguida, a Francisca e a Márcia leram a história elaborada por elas.

No final, a professora Isabel falou sobre a obra e os alunos que assistiram, fizeram comentários às histórias que ouviram.

domingo, 25 de abril de 2010

Dia da Liberdade

Foi há 36 anos, no dia 25 de Abril de 1974, que se deu aquela que ficou conhecida como "A revolução dos cravos". Foi nesse dia, que Portugal passou de uma ditadura política, para uma democracia. A partir daquele dia, todos os anos, celebra-se no nosso país este feriado, que ficou conhecido como o Dia da Liberdade.

Clica neste link para veres um pequeno resumo, em filme, do que foi a revolução de 1974 e mais algumas curiosidades sobre o dia 25 de Abril, ao longo da história.


http://videos.sapo.pt/GpiKTbQJPyHbFNsZW2Ek

terça-feira, 30 de março de 2010

Actividades de férias

Cliquem neste link e aproveitem para se distrair nestas férias. Espreitem as experiências. Vejam lá não se ponham a fazê-las sem supervisão de um adulto.

Bons divertimentos

http://kids.sapo.pt

segunda-feira, 29 de março de 2010

Páscoa

sábado, 20 de março de 2010

A Primavera

A Primavera é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres. A Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal", e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal" tem início, no Hemisfério Norte, a 20 de Março e termina a 21 de Junho. A "Primavera austral" tem início, no Hemisfério Sul, a 23 de Setembro e termina a 21 de Dezembro.

Aproveitem para ler uma pequena poesia de Miguel Torga sobre a Primavera.


ANUNCIAÇÃO

Surdo murmúrio do rio,
a deslizar, pausado, na planura.
Mensageiro moroso
dum recado comprido,
di-lo sem pressa ao alarmado ouvido
dos salgueirais:
a neve derreteu
nos píncaros da serra;
o gado berra
dentro dos currais,
a lembrar aos zagais
o fim do cativeiro;
anda no ar um perfumado cheiro
a terra revolvida;
o vento emudeceu;
o sol desceu;
a primavera vai chegar, florida.

Dia do Pai

O Dia do Pai constitui uma homenagem aos pais de todo o mundo. Em Portugal o Dia do Pai celebra-se a 19 de Março, o Dia dedicado a São José, pai de Jesus. O Dia do Pai celebra-se a 19 de Março.
Por que é que calha nesta data?
É porque este é o dia de S. José, o pai de Jesus. Assim faz-se uma homenagem especial a todos os pais do mundo.
S. José, marido de Maria, era carpinteiro e vivia na cidade de Nazaré, na Galileia. Ao que parece, era um bom homem e aceitou ser o pai de Jesus.
A sua história vem contada na Bíblia.
O culto a São José começou no século IX.
Não se sabe ao certo em que data José nasceu ou morreu, mas o papa Gregório XV, em 1621, referiu a data de 19 de Março como a da sua morte.
E assim ficou a ser o seu dia!
Tornou-se também o santo padroeiro (protector) dos carpinteiros, pela profissão que tinha.
O nome José vem do hebreu (Youssef) e significa "que Deus acrescente".


Fizemos uma prenda para oferecer no Dia do Pai e que vamos partilhar convosco. Gostámos muito de fazer este trabalho e achamos que ficou muito bonito.

Cada um de nós trouxe uma moldura para a escola. Depois a professora delineou os desenhos que escolhemos para o vidro da moldura com pasta de relevo de cor preta e nós pintámos com tintas de vitral. De seguida foi só colar uns corações de musgami na moldura, escrevemos a data e ficou pronta.

quarta-feira, 10 de março de 2010

As marés

Estivemos a falar um pouco sobre as marés e os seres vivos que habitam na orla marítima. Como vivemos perto do mar, conhecemos muitos desses seres vivos. Aproveitem para os conhecer também.


domingo, 28 de fevereiro de 2010

Construção do metro cúbico

Depois da construção em cartolina do decímetro cúbico, passámos à construção do metro cúbico. Se o decímetro cúbico é o volume de um cubo com 1 dm de aresta, o metro cúbico só podia ter 1 metro de aresta. Para o fazermos, tivemos a colaboração do pai do Gonçalo, o Sr. António, que fez o favor de trazer canas já todas cortadas com a medida certa para cada aresta: 1 metro. Depois pusemos mãos à obra na sala. Ainda nos deu algum trabalho para o conseguirmos equilibrar, mas com alguma teimosia conseguimos. No final, calculámos o volume da nossa sala de aula em metros cúbicos. Antes de calcularmos, cada um de nós fez uma estimativa de quantos cubos daqueles caberiam na sala. Não passámos dos 70 cubos. Depois de tirarmos a medida ao comprimento (8 m), à largura (6 m) e altura da sala (3m), calculámos o volume e deu-nos 144 metros cúbicos. Nunca imaginámos que pudessem ser tantos.


segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

O contacto entre a terra e o mar

Vamos conhecer melhor alguns dos aspectos da nossa costa.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Experiência com o decímetro cúbico

Estivemos a verificar a relação entre as medidas de capacidade e o decímetro cúbico. Para isso aproveitámos um dos cubos que tínhamos feito anteriormente, forrámos com plástico e fomos verificar se havia alguma medida de capacidade que equivalesse ao decímetro cúbico. Ao observarmos as medidas e o cubo, a turma toda disse que a medida que era equivalente era o 1/2 litro. Depois de experimentarmos verificámos que estávamos errados. Afinal o litro é a medida de capacidade equivalente a 1 decímetro cúbico.


Problema de meias

Vamos lá ajudar o Manuel a resolver este problema porque ele está completamente às escuras.

"As cores preferidas do Manuel são o azul e o verde, não sendo de admirar que ele tenha seis meias azuis e seis meias verdes na sua gaveta das meias. Infelizmente, ele é um bocadinho desarrumado e as meias estão todas misturadas na gaveta, e um dia, em plena escuridão, ele tem que separar umas meias para calçar."

  • Quantas meias tem ele que retirar da gaveta para ter a certeza de que tem um par condizente - ou azul ou verde?

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O nosso Carnaval

Ontem estivemos a fazer máscaras para um painel de Carnaval. Hoje fizemos um pequeno desfile de Carnaval na nossa sala. Como esteve a chover toda a manhã, não nos pudemos deslocar à sede do Agrupamento, como estava previsto, para participar num desfile em conjunto com os alunos do 2º Ciclo. Mesmo assim, divertimo-nos muito e escolhemos as máscaras de que gostámos mais na nossa turma.
Muito divertido, foi ver o Tiago a fazer a apresentação do desfile e ao improvisar todo o discurso, mostrou estar à altura do desafio.
Aproveitamos também para desejar um BOM CARNAVAL A TODOS!


O decímetro cúbico

Para aprendermos a compreender melhor o que é o decímetro cúbico, fizemos na sala de aula a planificação de cubos com 1 decímetro de aresta. No final da aula discutimos o trabalho que realizámos e concluímos que um decímetro cúbico é um cubo que mede 1 decímetro de aresta.
Gostámos muito de fazer a actividade e a professora disse-nos que ainda não tinha terminado por aqui. Mas o resto é só para depois do Carnaval.

"A Escola vai ao Mercado"

Na semana passada, fomos ao Mercado Municipal realizar trabalhos de expressão plástica, no atelier do projecto "A Escola vai ao Mercado". Fizemos um peixe e um barco à vela que ficarão expostos no mercado, numa bancada onde se expõem os trabalhos do nosso Agrupamento, realizados no âmbito do projecto.


terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Os rios

Vamos lá conhecer alguns rios que nascem em Portugal ou que passam por Portugal e desaguam no Oceano Atlântico.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Problema com balões

Vamos lá a tentar resolver este problema. É fácil!

O Pedro e a Mariana contaram os balões que havia na festa de aniversário da Rita.. Eles contaram de forma diferente.
  • O Pedro contou três grupos de 3 balões, mais 1 balão.
  • A Mariana contou dois grupos de 4 balões, mais 2 balões.
  1. Quantos balões havia na festa?

O castelo de Almourol

Nas minhas pesquisas sobre a matéria que iremos dar nos próximos dias, fui procurar informação sobre o castelo de Almourol que fica num ilhéu no meio do rio Tejo. Achei interessante partilhar convosco este pequeno filme que nos conta um bocadinho da nossa história. Cliquem no link e ficarão também a saber um pouco mais.


http://www.castelodealmourol.com/home/

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Prenda para a mãe

A minha mãe fez anos no fim-de-semana passado e eu decidi oferecer-lhe um texto feito por mim e que vou partilhar convosco. Ela gostou muito do meu texto porque foi uma prenda diferente.

Gostava de fingir que era navegante

Gostava de fingir que era navegante. Brincava muito em casa e um dia…decidi que ia à descoberta marítima.
Queria ir à descoberta do tesouro chamado “ O raptor”. Pus uma pala preta e brilhante no olho, vesti-me de pirata e pus o chapéu do pirata mais conhecido, construí um barco com madeira que sobrou da minha casa nova, pus velas quadradas no barco e lá fui eu …
Nesse dia tive que ultrapassar uma grande tempestade que vinha do sentido norte e que era muito chuvosa e ventosa. Essa tempestade parou e passadas umas horas…nasceu um novo dia, foi quando parei para descansar.
Sabia que me tinha esquecido de alguma coisa. Eram os mapas que indicavam os sentidos e o tal tesouro que o pirata mais conhecido não conseguiu encontrar. Então, entrei no barco com os mapas feitos por mim porque tinha andado a estudar marinha para fazer esta minha viagem de sonho que sempre quis realizar.
Passados uns dias eu fui à “caverna sagrada do mar”, que era onde o mapa indicava para ir. Na caverna, vi caveiras dos mortos que o tal pirata matou, espíritos, um laboratório que estava queimado e umas quantas velharias. Também não vi lá uma coisa que me espantou… percorri a caverna toda e não vi mapas.
De repente pus-me a pensar que como ele era profissional, não precisava. Depois voltei a casa e contei toda a minha viagem marítima que fiz durante cinco ou sete dias. Foi uma viagem espantosa.
No dia seguinte era o meu aniversário por isso cantaram os parabéns a dobrar, por causa da minha viagem. Fiquei muito feliz e também fiquei encantado porque gostei das informações que recolhi da minha viagem.
E foi assim que realizei a minha viagem de sonho que era secreta. Gostei muito porque também fiquei a saber que a terra era redonda.

Informação
: a Terra é redonda porque, à medida que o barco anda, a última coisa a ver-se desaparecer no horizonte é o mastro.
Nuno Diogo

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A água na Natureza

Realizámos experiências que nos ajudaram a compreender melhor que a água, na Natureza, não apresenta sempre o mesmo aspecto e passa por vários estados diferentes. Aproveitem para ver o nosso trabalho.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Ciclo da água

Clica neste link e lê a história sobre a água e a viagem que faz pela Terra.

http://www.inag.pt/inag2004/port/divulga/pdf/CicloAgua.pdf

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Estivemos a escrever textos em parceria com o título "O meu jardim secreto". Depois de lermos para a turma, escolhemos aqueles de que gostámos mais para publicar neste nosso espaço.

Texto um

O meu jardim secreto tem muitas flores bonitas.
Um dia, uma criança tentou entrar no meu jardim mas eu não deixei. O menino tinha cabelos louros, olhos azuis, pele branca e era inglês. Esse menino não gostava de plantas e tinha um frasco no bolso que deixou cair no chão. O frasco abriu-se e deitou líquido para as plantas.
Quando voltei ao jardim, as plantas estavam murchas e não estavam alegres como de costume. Eu achei que não as tinha regado bem, peguei no regador e reguei-as.
No dia seguinte, quando fui ao meu jardim, as minhas plantas coloridas tinham-se tornado em plantas carnívoras. Elas comiam tudo o que lhes aparecia à frente, destruíram a cerca e foram para a cidade.
Lá em casa, no meu laboratório científico, fiz uma poção, fui ao largo e pus a poção nas plantas. Assim, as plantas voltaram ao lugar e como estava noite fui-me deitar.
No dia seguinte fui ao jardim e as plantas disseram-me:
- Olá Isabel!
E eu respondi muito espantada:
- Olá a todas! Vocês falam??
- Sim. Ontem quando puseste a poção, viemos para o lugar e começámos a falar.
Fui para o quarto, pensei durante algum tempo e depois lembrei-me:
"- Podíamos fazer uma exposição!"
Contei às plantas, elas acharam uma boa ideia e no final da exposição, as plantas cantaram:
- Na na ni ni na na ni ni!
E acabou a história. Ah! E antes que me esqueça, as crianças adoraram a exposição e ficou o jardim mais lindo da zona.

Autoras: Alice e Teresa



Texto dois

Um dia, eu encontrei uma passagem secreta e... entusiasmado e curioso, fui lá ver.
Escorreguei por essa passagem até que cheguei a um a um parque. Quando lá cheguei aproximei-me do escorrega e ouvi uma voz.
- Quem és tu? - perguntei eu.
- Sou a Fada de todos os jardins. Queres cuidar deste jardim e guardá-lo?
- Sim, claro, com todo o gosto!
- Ah...Ah...Ah... Mas vais ter um baú secreto.
A Fada abriu um portal para ir guardar o seu baú secreto. O jardim ficava dobrado dentro do baú. O jardim era verdejante, brilhante, maravilhoso e encantador. Tinha muitas flores de várias cores, muitos baloiços que estavam limpos, três escorregas brilhantes de várias formas e uma piscina muito grande cheia de água.
No dia seguinte eu fui ao jardim pôr a conversa em dia com a Fada. Nós fomos muito amigos até ela se ter ido embora para outro jardim. Eu fiquei desiludido mas compreendi-a.
A partir dessa data, guardei sempre o jardim no baú e também não parei de pensar na Fada.

Autores: Marta e Nuno Diogo



Texto três

Era uma vez o meu jardim secreto que ficava num país longínquo.
Para lá chegar tinha que se atravessar um guarda-fatos de madeira, com um grande buraco fundo lá dentro.
O jardim era grande, verdejante e colorido. Ele tinha lá dentro um grande lago azul, um grande parque, montes de passarinhos que cantavam, árvores de fruto e de desejos e tinha muitas flores, como: rosas às pintinhas brancas e vermelhas, papoilas às riscas cor-de-rosa e laranja, violetas roxas com manchas azuis, margaridas axadrezadas, jasmins amarelos e vermelhos,... O jardim tocava uma bonita melodia sempre que eu lá entrava.
Eu só descobri este maravilhoso jardim quando estava a brincar às escondidas com os meus amigos. Escondi-me dentro do guarda-fatos e então é que reparei no tal buraco. Quando espreitei para lá, caí e vi aquele maravilhoso jardim mágico.
Um dia portei-me mal e então o buraco cerrou-se e eu não pude entrar. Depois portei-me bem e o buraco voltou a abrir-se.
Certo dia, eu decidi contar aos meus pais e amigos e desde aí, o jardim deixou de ser secreto.
Ultimamente, os meus amigos têm ido lá brincar comigo.
Autores: Márcia e Paulo

Texto quatro

Eu, desde pequeno que brinco num jardim bonito e cheio de flores. Está situado numa zona distante, tão distante, que quase ninguém o consegue encontrar. Como quase ninguém o consegue encontrar eu chamei-lhe "O meu jardim secreto".
Na Primavera, tive que mudar-me para a casa da minha tia e desde então, fui-me esquecendo do meu jardim.
Passados 2 anos a casa da minha tia ficou sem electricidade e tive que ir viver de novo para a casa dos meus pais.
Quando cheguei a casa dos meus pais pus as malas ao pé da porta e fui a correr ver o meu jardim. Assim que lá cheguei fiquei espantadíssima: estava lá uma menina a saltar à corda.
Fiquei nervoso porque não sabia como é que ela tinha lá chegado e perguntei-lhe o que fazia ali. Ela respondeu-me que como ninguém vinha para ali morar, ela aproveitava para ir lá brincar.
Então eu perguntei-lhe:
- Tu não queres partilhar o jardim comigo?
E a menina respondeu-me:
- Sim, quero!
E desde então, eu e a menina tratamos do jardim e fazemos com que toda a gente vá lá brincar.

Autores: Daniela e Gonçalo

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Continuação das Janeiras

Professora, professorinha
do nosso coração,
como é o último ano
escrevemos-lhe esta canção.

Nos dias dos testes
nós estamos nervosos,
é preciso estudar muito
e sermos mais corajosos.

Este é o último ano
com os amigos vamos brincar,
saltar, rir e correr
todos vamos adorar.

Nesta bonita escola
gostamos de brincar
é o desejo de todos nós,
para o ano cá não ficar.

Autores: Alice, Mónica, teresa, Tomás Pinto

Olá professora e colegas
chegámos para dar as boas-vindas.
Acordámos cheios de vontade
de ver as nossas colegas lindas.

Vamos regressar à escola
para colar coisas com cola
e para as meninas gostarem de nós,
trazemos umas belas sacolas.

Lindos presentes vamos dar
cheios de laços a enfeitar.
Nós rapazes tudo fazemos
para as meninas conquistar!

Autores: Francisca, Francisco, Miguel, Nuno

Este último grupo estava muito inspirado e como tal aproveitaram para fazer quadras um pouco mais atrevidas. Coitada da Francisca no meio destes "Pinga Amores"!

As nossas Janeiras

As Janeiras fazem parte da nossa tradição popular. Fomos saber as suas origens e a professora desafiou-nos a escrevermos algumas quadras que representassem as Janeiras da nossa turma. Fizemos grupos e inventámos algumas quadras, que depois de lidas na sala vão ser partilhadas com todos aqueles que espreitam o nosso cantinho. Esperamos que gostem.

Um bom Ano Novo
nós vamos desejar
para que todos vocês
em Junho possam passar.

Os alunos desta turma
muito estudarão,
para que no fim do ano
não hajam Planos de Recuperação.

Nós como bons alunos
temos mesmo de aprender
para que no futuro
tenhamos algo a dizer.


Autores: Inês, Tiago Alexandre, Tiago Filipe, Tiago Miguel


A nossa turma é inteligente.
Quando formos grandes seremos valentes,
em especial os mais espertos
que receberão muitos presentes.

Todos os nossos colegas vão passar de ano
E vão conseguir ir para a universidade.
Vão ter uma vida muito longa
e terão de certeza, muita felicidade.

Autores: André, Beatriz, Leonor, Tomás Silva


Nós no 4º ano
gostamos de trabalhar,
mas temos a certeza
que mais vamos estudar.

No primeiro dia de aulas
só queríamos brincar,
mas a professora chamou-nos
e mandou-nos trabalhar.

No grande recreio
nós todos brincamos,
rapazes e raparigas
nunca nos fartamos.

Nós vamos para a escola,
levamos o material
dentro da sacola,
que não nos fica nada mal.

Autores: Daniela, Gonçalo, Lara


A toda a nossa turma
vamos cantar as Janeiras,
cheias de alegria
e de muitas brincadeiras.

Na nossa escola
há tempo para trabalhar.
No entanto também há
muito tempo p'ra brincar.

Toda a nossa turma
tem força p'ra trabalhar,
mas chega a uma e um quarto
e só queremos descansar!

Autores: Diogo, Márcia, Marta, Paulo